6.2.16

NA SOLEIRA DA PORTA




Na soleira da porta
caíam migalhas de pão

e outros restos
que serviam aves e formigas.

Havia amor 
na soleira da porta 

às vezes entreaberta.

Na soleira daquela porta
eu sabia amar e sorrir

em cada hora a seguir.

J. Alberto de Oliveira