14.9.12

NO ÂNGULO DA MESA




No ângulo da mesa há poesia e álcool
iluminações e paraísos perdidos.

Há uma espécie de férias de verão
no inferno dos poetas malditos.

Lá estão Rimbaud e Verlaine
com seus versos intensos.

Fatin-Latour ao retratar o rosto
fugaz dos poetas e as flores

fixa no tempo zero da pintura
o invisível dos versos e do vinho.

Ao contemplar o álcool e os poetas
o livro das palavras e as flores

os olhos entram pela natureza dentro,
pela natureza ávida dos que viveram.

J. Alberto de Oliveira




ÁGUA SEM POSSE




Naquela fonte muito antiga, desde 1858 que perdura a pedra onde se escreveu: agoa sem posse.
Magnífico aviso acerca do elemento que é tão munificente como imprescindível.
Das nascentes a água desce livre ao encontro da sede.

Na inscrição se mostra e lembra que a água é para fluir como dádiva, como substância do feminino, viva, pura e corredia.

A pedra, assim escrita, é um sinal de vigilância para os seres viventes e, sobretudo, para os poetas, quando são eles a razão e a fonte do verbo sem posse.


APOSTILA

Quando fotografei a inscrição de 1885, agoa sem nome, ocorreu-me o texto que imediatamente redigi e mostrei a várias pessoas. Um jurista leu e lembrou: “aquelas raras inscrições eram colocadas a indicar a posse pública, porque havia muita água de propriedade privada”.
Sim. É a causa real que eu muito bem conhecia. Mas, fazendo uso do olhar contemplativo, estético e amantivo, escrevi o que escrevi.
Evidenciei a leitura estética, recusando o sentido materialmente jurídico.
Compus o texto que os olhos me pediam.
Sem o dom poético o olhar torna-se estéril, involutivo e rasteiro.


J. Alberto de Oliveira




NARRATIVA A SÉPIA





Com as vogais da infância me sento à mesa.
Tomo o pão molhado no mel e bebo o leite.

Exposto ao lume no ângulo do lar aceso
convoco a fadiga do entardecer

para depois
adormecer na pausa do melhor beijo.

J. Alberto de Oliveira