17.2.17

DO AMOR EM FOGO DE AMORES




Quanto pesa o fulgor
de uma camélia de luz?

Todas as criaturas
respiram o seu próprio nome.

No ar perduram os sinais
do amor em fogo de amores.

J. Alberto de Oliveira

8.2.17

O CÂNTICO DAS CRIATURAS




S. Francisco de Assis no fim de seus dias
soletrou versos cantantes.
Resumiu em poucas e simples palavras a boa nova da criação.
Ditou de cor ao mundo o Cântico das Criaturas.

J. Alberto de Oliveira

Imagem: Alberto Péssimo

1.2.17

TODO VIRADO PELO AVESSO




Um dia quero ainda ver-me
do mesmo modo que Deus me vê:

todo virado pelo avesso.

J. Alberto de Oliveira

21.1.17

A MULHER E A POMBA




Domingo de inverno coberto de sol vivo.
Uma pomba, no meio da rua, 
debica nacos de pão, desfazendo-os em migalhas.
Aproxima-se um automóvel de alta cilindrada 
conduzido por uma mulher.                                     

A condutora, vendo a ave, acelera.
Não fora a pomba uma criatura avisada, pacífica e lesta,
e morreria ali no asfalto, entre as migalhas do seu sustento.
Eu estremeci por dentro de mim próprio,
dizendo "putain de monde", que é o da mulher e de seu automóvel.

J. Alberto de Oliveira

Imagem: Cartaz concebido por Pablo Picasso (1881–1973) para o Primeiro Congresso Mundial dos Partidários da Paz

13.1.17

O TIC-TAC RECITATIVO




Há muitos e muitos anos, veio ao mundo um menino, cujo pai ao vê-lo nascer, correu à relojoaria mais próxima e comprou um despertador para que a mãe desse de mamar ao seu primeiro bebé a horas certas da noite.
Trouxe um Petrax.
Ainda se fabrica esta marca de despertadores suíços?

O menino cresceu, aprendendo palavras e suas letras,
Um dia escreveu uma redacção, pensando no Petrax, que lá está em casa, numa estante de livros, repetindo ao longo de muitos e muitos minutos o seu tic-tac recitativo.


Quando nasci, o Petrax tornou-se o autor de futuras horas e minutos.
Ainda hoje o seu tic-tac é firme e robusto.
À força de afectos e palavras, merece a bonita soma de uma idade altiva.
Enquanto a ciência da mecânica lhe conferia
o pulsar inocente, vivo, paciente e ritmado, o seu mostrador envelhecia.
Colaram-se a ele massas de luz e sombras.
Inumeráveis cenas poéticas, adjacentes ao tempo medido,
transmitiram-lhe o tom sépia das coisas santificadas.
Fora e dentro do sono, o Petrax é uma preciosa
acumulação de segredos e memórias.
Fora e dentro do silêncio, ressoam lembranças
consonantes com o tic-tac recitativo do Petrax doado à minha infância.


J. Alberto de Oliveira

11.1.17

UM NÓ-SER




Enquanto não chega a hora
do clarão

a vida é deveras perigosa.

As mais das vezes viver
é um difícil e duro nó-ser.

J. Alberto de Oliveira

2.1.17

A POESIA E A MÚSICA



Eu sei que o mundo é turvo. E o precário define-se pela condição de existir.
Mas também eu sei que a poesia e a música não se compram nem “se pedem como esmola”, diria J. S. Bach.
A  música e os poemas fluem para ser dados à inteligência mais intuitiva.

É verdade que o mundo me desvia de tudo o que seria delicadissimamente claro, divino, exacto e musical.

Não obstante, ainda sobra o sol que, depois de uma frente fria de chuva, transforma a paisagem num corpo de vibrações, de azul e claridade.

J. Alberto de OLiveira