27.6.15

ADAGIO




Não toco em nada
quando a chuva molha as rosas.

Não escrevo nada
enquanto as varas do vento

desenham o imo de uma frase.

Na voz dos sinos do sul
trocando as horas em sentimento

releio só lembranças quebradas.

J. Alberto de Oliveira

22.6.15

CURSO PARA CRAVO





O curso para cravo de Bach
me ensine a pedir o lume:

a espuma do ouro bem temperado.

Que a música a arder em poema
rasgue as telas do escuro.

E que nunca voz alguma

por norma ou por nada
me chame para morrer de vez.

J. Alberto de Oliveira