15.3.14

PELA PRIMEIRA VEZ



Foi um gosto e surpresa ir à escola pela primeira vez, numa certa manhã de Outubro do ano 1952.
Perdido no meu ar pensativo, de casa me levou minha Mãe.
A professora, airosa e moça, com doçura de alma e boas palavras me recebeu. Disse um não sei quê de espanto e alvoroço. Depois, sentou-me numa carteira, a par de uma menina com espírito e nome de Rosa, que em todo o resto do dia me ensinou o que já aprendera de cor.

Pelo sentido intuitivo de três corações falantes e femininos se abriu para mim a porta da escola.
Com a solicitude maternal principiava o exercício contínuo de escrever e ler.
Começou nesse dia outonal uma pronúncia diversa e dura.
Firmava-se o alicerce verbal do futuro.

J. Alberto de Oliveira

9.3.14

OS MESTRES DE PROVAR O VINHO



Os mestres de provar o vinho não falam.
Estudam os efeitos do mosto no escuro.

Com a boca adivinham o labor
da luz que amadureceu as uvas.

Eles dão ao pensamento a combustão da saliva.
Com a língua movem a cor e o auge do vinho.

J. Alberto de Oliveira