5.5.08

DO CÂNTICO DOS CÂNTICOS




[...] perguntam à Sulamita o que o seu amado tem de particular, sobretudo que tem ele que elas também não tenham nos seus


e ela desce ao pormenor de lhes dizer como ele a faz [...],


fechou-se na minha antecâmara, penetrou nos meus luxuosos apartamentos, brincou com os brincos e os colares, com os mamilos e os dedos, com os tecidos e os lábios,


com as colunas e as minhas longas pernas onde gosta de se enrolar como heras e vinha virgem, embrenhou-se, parou ofegante,


deslizava pela minha pele mais escura que a noite, corria pelas minhas formas mais firmes que o solo dos seus combates e, finalmente, depôs em mim o segredo do seu veneno; quando acordei, estava só e tive medo que tivesse morrido ou, se morto,


eu não conseguisse encontrá-lo como meu, ou eu?


Maria Gabriela Llansol - ONDE VAIS DRAMA-POESIA?