15.11.07

UNICUM NECESSARIUM




Quando nasci - e foi o que disseste - eu era o meninopoeta que não dizia nem escrevia os versos que em mim havia.

E quando vier a hora bendita da minha morte, seja eu poetamenino.
E sejam de asa ou de névoa os últimos versos da minha vida.

J. Alberto de Oliveira