16.5.15

EM CARNE VIVA



Saí da palavra justa 
em poema:

em carne viva.

Do cego sopro de amar
vim coberto de espuma:

de nomes e de sal.

J. Alberto de Oliveira
16/05/2015