22.10.12

FULGURÂNCIAS




O fervor da mão acende o pavio
como se acendesse a noite escura.

O poeta escreve
como se escrevesse para longe.

Uma criança absorta fala
como se falasse o idioma da chuva.

E os anjos voam
como se voassem para sítio nenhum.

J. Alberto de Oliveira